PERFINSTMUSEUM




PERFINSTMUSEUM é um espectáculo de autor produzido pela KARNART C. P. O. A. A. e criado no âmbito da Semana da Ciência e da Tecnologia 2013.

Este espectáculo, que tem como ponto de partida as noções de Laboratório/Museu de Ciência e Gabinete de Curiosidades, foi apresentado em Lisboa, entre 18 de Novembro e 15 de Dezembro de 2013, pelas 21.30h, no Beco da Mitra Nº 13, e considerado por dois especialistas de artes performativas do semanário Expresso, como um dos dez melhores espectáculos do ano de 2013, no Balanço feito na edição do suplemento Atual do dia 28.12.2013.

No dia 27 de Fevereiro de 2014 o espectáculo foi levado ao Teatro Académico Gil Vicente, com o apoio do Museu de Ciência da Universidade de Coimbra, em duas sessões: 16h e 21.30 h.

O resultado encontrado neste PERFINSTMUSEUM permite ao espectador desfrutar de uma imensa instalação num amplíssimo armazém, como se de uma visita a um estúdio de cinema se tratasse.

Instalações de objectos de naturalia, artesanato, laboratório e ciência; actores imóveis ou agrupando objectos, criando imagens que remetem para fotografia ou pintura; projecções de textos e reproduções de quadros em paredes; actores instalados que se relacionam, ou não, entre si e com as imagens projectadas; entre outros – são alguns dos elementos de uma criação que se norteou pela evolução dicotómica dos Gabinetes de Curiosidades para Museus de História Natural e Museus de Arte.

Com este espectáculo a KARNART dá mais um passo no seu percurso interdisciplinar, unindo às disciplinas artísticas que normalmente trabalha pesquisas feitas no âmbito de disciplinas científicas, gerando um trabalho de criação artística com identidade própria.

Esta é uma proposta de Perfinst, no mais puro sentido do conceito. Num contexto de Ciência, de respiração de Ciência, de comemoração de Ciência, a KARNART suavemente ade um elemento outro, catalisador, átomo, molécula de Arte. Pura. Em processos e por métodos ligados à investigação, à composição, à descoberta, à tentativa, ao erro, à solução.

A Ciência enquanto artesanato, trabalho de campo, escultura, húmus. A Arte enquanto rigor, medição, pesagem, composição. O artista investigador. O cientista contemplativo. A Ciência enquanto mãos que esculpem, talham. A Arte enquanto cérebro que raciocina, pensa, mede. Os feitores de ambas agricultores, operários, artesãos.


FOTOGRAFIAS DE ALÍPIO PADILHA







FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

concepção, direcção e instalação
LUÍS CASTRO

co-direção artística

Imagens de Divulgação, Paisagem Sonora e Estilização
VEL Z

operação e montagem de som
ARTUR  MIGUEL

interpretação
PAULA SÓ
ISABEL GAIVÃO
YOLA PINTO
MAFALDA FERRAZ
LUÍS CABOCO
MARCOS MARQUES
MIGUEL VALLE GRILO

estrutura financiada por
GOVERNO DE PORTUGAL | DIRECÇÃO-GERAL DAS ARTES
CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

espectáculo criado no âmbito da
SEMANA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2013
da responsabilidade de
CIÊNCIA VIVA - AGÊNCIA NACIONAL PARA A CULTURA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

apoio
DIRECÇÃO REGIONAL DE CULTURA DO ALENTEJO
MUSEU DA CIÊNCIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA


AGRADECIMENTOS
Rosalia Vargas, Leonel Alegre, Aurora Carapinha, Paulo Gama Mota, Dália Paulo, António Alegria, Fernando Matos Oliveira, Mickael Oliveira, Bruno Reis, Rosie Blandy, Luísa Martins, Fernando Grilo, Hugo Rodrigues, Eduardo Moreira, Tiago Correia, Luís Gomes, Luís Costa e Castro, Francisco Castro, Arlindo Fernandes, Diana Castro Fernandes, José Costa, Vanessa Cotrim


Translate